Picture

Por Nick Cooney (autor dos livros Change Of Heart: What Psychology Can Teach Us About Spreading Social Change e Veganomics: The Surprising Science on What Motivates Vegetarians, form the Brakfast Table to the Bedroom)

1 de Maio de 2012

Porque é que tantos vegetarianos voltam a comer carne? Quando eu estava na faculdade, um dos membros mais activos do grupo pelos direitos dos animais do nosso campus passou de um dedicado activista vegano a um dedicado comedor de galinhas numa questão de meses. Se és como eu, provavelmente já coçaste a cabeça a pensar porque é que algumas pessoas se mantêm numa dieta vegana e outras não.

Estudos académicos publicados nos últimos 10 anos, assim como um questionário informal feito pelo colunista Hal Herzog da Psychology Today, dão-nos alguma compreensão. De acordo com ex-vegetarianos, eles voltam a colocar carne nos seus pratos pelas seguintes razões:

Sabor – Muitos sentiam desejo por carne e estavam fartos de comida vegetariana.

Saúde – Alguns tinham menos energia, eram anémicos ou tinham outras complicações.

Inconveniência – Muitos sentiram que a comida vegetariana roubava demasiado tempo, não sabiam como cozinhar comida veg ou era chato ser-se vegetariano quando se comia com amigos.

Nós temos de ter estes problemas em mente quando encorajamos indivíduos a comerem vegetariano. Para além de apenas dizer às pessoas porque é que elas devem mudar a sua dieta, nós precisamos de que lhes explicar como: como fazer ou comprar refeições rápidas, deliciosas, parecidas com carne, e como comer de uma forma saudável.

Claro, aqueles de nós que se mantiveram vegetarianos ou veganos encontraram os mesmos problemas. Nós tivemos foi os recursos e a dedicação para os resolver. Qual é, então, o problema? Existem simplesmente diferenças fundamentais entre pessoas que se mantém vegetarianas e pessoas que não o fazem? Um novo estudo publicado na revista Appetite sugere que existem. O estudo encontrou quatro diferenças chave:

Motivação – Ambos os ex e os vegetarianos actuais preocupam-se com bem-estar animal, saúde e o ambiente. Mas aqueles que se mantêm numa dieta veg preocupam-se mais sobre estes assuntos, especialmente com o bem-estar animal. A preocupação pelos animais representa, de longe, a maior diferença em crenças entre vegetarianos actuais e ex-vegetarianos. Portanto, independentemente do porquê de as pessoas inicialmente se terem tornado veg, depois de terem feito a mudança nós precisamos de as inspirar a preocuparem-se com os animais de quinta. Quanto mais elas começarem a preocupar-se com animais de quinta, mais provavelmente se vão manter numa dieta vegetariana. Já que o seu comportamento é agora amigo dos animais, vai ser mais fácil para elas adoptarem uma atitude amiga dos animais se as encorajámos a fazê-lo.

Identidade – Pessoas que se mantêm vegetarianas pensam que as suas escolhas alimentares são uma parte importante de quem elas são. Este não é o caso para os ex-vegetarianos, mesmo quando inicialmente se tornaram veg. Porque é que isto acontece? Bem, é um facto da psicologia humana que nós não gostamos de mudar a nossa sensação de autoidentidade. Quanto mais olharmos para a alimentação veg como fazendo parte da nossa autoidentidade, mais difícil é voltar a comer carne. Portanto, depois de alguém se tornar vegetariano nós devemos encorajá-la ou –lo a ver a dieta vegetariana como uma parte importante de quem são. Por exemplo, podemos-lhes dar autocolantes ou t-shirts relacionadas com o vegetarianismo, encorajá-los a falar com amigos sobre porque é que são vegetarianos ou a inscreverem-se na revista Veg News ou numa lista de emails vegetariana.

A Mudança – As pessoas que se mantêm vegetarianas tendem a ser as que fizeram uma mudança gradual. Talvez isto seja porque uma mudança gradual é mais fácil, tanto para a pessoa que está a alterar a sua dieta assim como para os membros da família com quem partilha as refeições. Em contraste, os ex-vegetarianos tendem a ser os que fizeram uma mudança brusca quando inicialmente se tornaram veg. Tendo isto em mente, devemos encorajar as pessoas a darem os primeiros passos em direcção ao vegetarianismo em vez de as encorajarmos a irem de zero a vegano em sessenta segundos.

Apoio – Os que se mantêm veg são os que mais provavelmente se juntaram a um grupo de potluck(1)­ vegetariano, a um fórum online ou a outro círculo social. Estes sistemas de suporte proporcionam tanto encorajamento como conselhos práticos relacionados com a dieta. Claro, pessoas que vêm o vegetarianismo como parte da sua autoidentidade (em outras palavras, aqueles que já têm mais possibilidades de se manterem vegetarianos) mais provavelmente procuram grupos sociais vegetarianos. Assim, é possível que, para muitas pessoas, o suporte social seja apenas a cereja no topo do bolo e não a razão para se manterem veg. Mesmo assim, o suporte social só pode ajudar, especialmente se conseguirmos que os vegetarianos menos a entusiásticos se juntem a esses grupos.

Whew! Isto é muita informação para assimilar? Quem adivinharia que ajudar as pessoas a comerem vegetariano seria tão complicado?

Para resumir, se nós queremos ajudar mais pessoas a manterem-se veg, nós devemos ajudar os vegetarianos actuais: a) A aprender como cozinhar ou comprar refeições rápidas, deliciosas e parecidas com carne; b) A aprender como comer de uma forma saudável; c) A preocuparem-se bastante com os animais de quinta; e a d) Ver o vegetarianismo como uma parte importante de quem são.

Cada vez que fizermos uma destas coisas, nós vamos estar a ajudar os vegetarianos actuais a manterem-se no rumo. Como Ben Franklin escreveu, “A penny saved is a penny earned”(2). Ajudar alguém a manter-se vegetariano pode ser tão bom para os animais como inspirar outra pessoa a tornar-se vegetariana.  

  1. Nota do tradutor: Refeição em que cada convidado traz comida, sendo esta partilhada por todos.

  2. Nota do tradutor: Traduzido, fica algo como “Um cêntimo poupado é um cêntimo ganho”

Tradução: Luís Campos
Traduzido com permissão do autor
Original: http://ccc.farmsanctuary.org/former-vegetarians-who-they-are-and-why-we-lost-them/   
Imagem: hambúrguer vegetariano da FRYs (cortesia Talho Vegetariano)



artigo relacionado: Uma alimentação vegana saudável pode incluir análogos de carne

Por Virginia Messina (dietista, co-autora dos livros Vegan for Life, Vegan for Her, Never Too Late to Go Vegan, entre outros).
LER AQUI