No matadouro: uma classe trabalhadora invisível | AVP - Associação Vegetariana Portuguesa