Picture

Uma nova petição, encabeçada pela Associação Vegetariana Portuguesa, visa intimar o governo português a incluir uma opção vegetariana nos menus de todas as escolas, universidades e hospitais do país, através da legislação de medidas que venham assegurar a diversidade de alternativas nos espaços de ensino e centros hospitalares, e atender às necessidades de uma população crescente de vegetarianos, assim como de pessoas em geral, interessadas na opção vegetariana. A petição circula pela internet há cerca de uma semana e já reune quase 5.000 assinaturas, mais do que se afigura necessário (4.000) para ser submetida à consideração do parlamento em plenário. Poderá encontrá-la aqui: http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT76070

A proposta vai no sentido de colmatar as lacunas flagrantes em vários sistemas de ensino e hospitais. Muito embora haja disponibilidade de opções vegetarianas em algumas das principais universidades do país, como é o caso da de Lisboa, Porto, Minho e Algarve, nem todas contemplam essa alternativa, particularmente no caso das faculdades de regime privado e institutos politécnicos, onde é mais manifesta a escassez de opções, e observa-se uma falta de preparação das cantinas para suprir as necessidades dos alunos vegetarianos. A petição não encerra aí o seu alcance. Visa também propor a introdução de opções vegetarianas facultativas nos sistemas de ensino mais básicos, desde as creches, às escolas básicas e secundárias, onde é ainda mais evidente um vácuo de opções e impreparação para lidar com os alunos que seguem um regime vegetariano, frequentemente para frustração dos pais.
Ademais, aponta-se também a lacuna dos hospitais, em muitos dos quais não se observa um direito à diversidade de opções, nem tem-se em conta a possibilidade de haverem pacientes que façam uma dieta vegetariana.

A adopção de um regime alimentar vegetariano espelha a liberdade de escolha de cada indivíduo, tal como é defendido pela AVP, declarado e assegurado na Constituição Portuguesa, por acordo com os princípios democráticos. Por isso há urgência de introduzir uma opção vegetariana generalizada nas cantinas dos espaços públicos, indo ao encontro das necessidades de milhares de portugueses, ainda hoje frustrados com a dificuldade no acesso a uma opção vegetariana.

A Associação Vegetariana Portuguesa representará estes interesses, e estará futuramente em plenário para ver a sua proposta ser debatida, zelando por uma sociedade mais justa e ética, com acesso igual de oportunidades para todos.