A criação de gado contribui mais para o aquecimento global e para a degradação ambiental do que todos os meios de transporte juntos, afirmou Branson.
Richard Branson acredita que em três décadas, a humanidade terá parado de matar animais para o consumo de carne.

Sir Richard afirma ter deixado de comer carne há alguns anos principalmente devido ao facto da criação de gado estar fortemente associada à degradação das florestas tropicais.

 

Numa publicação no seu blog, o empresário escreveu que acredita que daqui a trinta anos “toda a carne seja limpa ou feita com base em plantas, que terá o mesmo sabor que a carne de origem animal e que vai ser mais saudável para toda a gente.”

O milionário fundador da Virgin Group, diz que existem inúmeras razões pelas quais tal mudança seria boa para o planeta e afirma também que a criação de gado produz 18% de todas as emissões de gases de efeito de estufa “causadas pelo homem”, contribuindo em grande escala para o aquecimento global e para a degradação ambiental.

Sir Richard afirma ter deixado de comer carne há alguns anos principalmente devido ao facto da criação de gado estar fortemente associada à degradação das florestas tropicais. Refere também que “abriu os olhos” para a forma como a criação animal se processa e os matadouros funcionam.

Branson juntou-se ao co-fundador da Microsoft, Bill Gates, e à gigante empresa de agricultura norte-americana, Cargill, no investimento na Memphis Meats, uma empresa norte-americana que cria carne a partir de células animais com capacidade de se auto-produzirem.

O objectivo da Memphis Meats é satisfazer a crescente procura mundial de proteína animal e diminuir a necessidade de ocupação de terra, produção de ração e água. A carne é uma fonte relativamente ineficiente de calorias em comparação com os alimentos à base de plantas, uma vez que utiliza muito mais recursos para cada unidade de energia.

“O Sistema da carne limpa é seguro, bom para o planeta, para os animais e satisfaz os consumidores.”, disse Sir Richard Branson.

“O mundo adora comer carne e é essencial para muitas das nossas culturas e tradições.” disse em comunicado Uma Valeti, co-fundador e director executivo da Memphis Meats, quando o investimento foi anunciado. “A forma como a carne convencional é hoje em dia produzida cria grandes desafios para o meio ambiente, o bem estar animal e a saúde humana. Estes são problemas que todos desejam ver resolvidos.”

 

Artigo original: https://www.independent.co.uk/news/business/news/richard-branson-humans-kill-animals-meat-livestock-greenhouse-gas-emissions-environment