Nunca uma tendência alimentar explodiu com tanto vigor e tão cedo no ano. Pode estar a competir pela sua posição com crumpets, kombucha e camarão, mas o veganismo desencadeia o debate mais ávido e mais militante.

Em 2018, numerosas peças citaram o veganismo como um tour de force. Alguns podem argumentar que já era um: o restaurante vegan By Chloe, com sede em Nova York, cheio de tofu e abacate, abriu em Londres; cadeias de pizza, que não demoraram muito para celebrar as suas bases sem glúten, introduziram queijo vegan; e hambúrgueres de base vegetal que “sangram” tornaram-se populares em todo o país. Até mesmo a Tesco os vende agora.

 

Vieiras vegan (Escalopes)

Vegan fish

Mas no ano passado, um Piers Morgan sempre alegre não fingiu vomitar num balde na TV nacional depois de comer um dos novos pães vegan de salsicha da Greggs. E as pessoas irritadas no Facebook não estavam gritar para proteger o seu direito de tomar o pequeno almoço. Se o Good Morning Britain e a comunidade do Facebook de repente se importam, o veganismo já não tem o status de moda, e já não é focado em Londres – é mainstream.

Então, agora o veganismo está bem e a impressionar os britânicos, o que vem a seguir? Poderia o peixe vegan ser a engrenagem final no mecanismo plant-based? Nós sabemos sobre o katsu de beringela do Wagamama e o doner kebab à base de soja do What the Pitta, mas o camarão vegan defumado e camarões vegan? Estes chegarão em breve a uma prateleira de supermercado perto de ti.

A Sainsbury’s anunciou este mês o lançamento da Sophie’s Kitchen, uma empresa norte-americana que fabrica desde escalopes vegan até mac’ n’ cheese vegan de lagosta. O salmão fumado e o camarão vão ser testados no Reino Unido nos próximos meses.

A Sophie’s Kitchen, que ainda não respondeu ao inews, diz que está “numa missão para tornar mariscos vegetais acessíveis e deliciosos para todos”.

 

Estilo de vida mais saudável?

O CEO e fundador Eugene Wang disse anteriormente: “As pessoas entendem que até 2050 haverá nove biliões de pessoas neste planeta e a proteína animal não vai ser sustentável, então os consumidores estão a recorrer a proteínas alternativas”.

O primeiro ingrediente listado no camarão é a água. Mas também contém pó de konjac (o mesmo pó que está contido nos noodles de zero calorias), beta glucanos (açúcares encontrados em cereais e fungos), amido de ervilha, feno-grego, agave, alginato (derivado de algas marinhas), paprica e cálcio hidróxido (um número E utilizado nos alimentos).

No salmão fumado, os clientes encontrarão muito do mesmo, mas com a adição de azeite, amido de batata e pó de algas marinhas. Não contém beta glucanos.

Eu visito o Sainsbury de Balham e encontro Kelly Southgate, uma psicóloga, fazendo compras depois de ioga quente. Ms Southgate é uma nova vegan, e está intrigada com a perspectiva de peixe falso, algo que ela ainda não explorou muito.

“Só sou vegan há um ano, mas nos últimos 12 meses tenho visto muito mais oferta”, diz Southgate.

“Há muito mais escolha. Mas ainda acho difícil ser vegan e prefiro evitar coisas processadas, já que não vejo como isso se encaixa no estilo de vida vegan. Decidi seguir uma dieta de base vegetal por razões de saúde.

“Eu não experimentei isto [Sophie’s Kitchen], mas eu provaria definitivamente. Eu acho que é necessário. Acho que deve haver variedade.”

 

Balham Waitrose

Vegan fish

Catrina Cimetta, que trabalha no Parlamento, está em Balham Waitrose. Assim como a Sainsbury’s, a Waitrose, que no seu relatório anual de tendências no ano passado previu um aumento gigantesco do veganismo em 2019, acaba de entrar no mundo dos peixes vegan. Lançou “dedos sem peixe” este mês. Eles são feitos de tofu de algas panados e são apenas o começo.

Cimetta, que cresceu numa família de agricultores italianos, é vegan há quatro anos e sabe tudo sobre peixes vegan.

Ela diz à inews: “É ótimo que existam mais opções agora. E eu gosto de peixe vegan. É bom ter uma escolha e não ser limitada pela minha dieta.

“Há muitas alternativas de base vegetal à carne, por isso é ótimo que o peixe também seja uma escolha agora. Eu gosto muito goujons Vivera de “peixe” [feitos de proteína de trigo]. Eles são ótimos.”

Até um não-vegan está disposto a experimentar o produto. Julie Hollywood diz: “O peixe vegan não me atrairia, mas provava-o, com certeza. Gosto de experimentar alternativas. É bom ter uma mente aberta sobre estas coisas.”

Como praticamente todos os conceitos vegan, no entanto, o peixe falso não é do agrado de todos.

A compradora Bianca Treece, uma mãe a tempo inteiro, tem um carrinho cheio de frango e não mostra nenhum sinal de parar na secção vegetariana / vegan, onde montei acampamento.

“Bem, eu experimentava”, ela diz-me. “Se alguém me oferecesse numa festa ou algo assim, não recusava.”

 

Flexitarianismo

“Mas se eu comprar peixe, compro peixe. Eu sei que as pessoas estão conscientemente a cortar na carne e isso é uma coisa boa. Não posso dizer que peixe vegan me agrade”.

Estou curioso para saber se – como acontece com tantas opções de base vegetal de restaurantes nos dias de hoje – se o peixe vegan também atrairá os consumidores de carne e peixe que querem reduzir: os flexitarianos, cujo número está a aumentar. O movimento é o sidecar moderno para o veganismo e está a ajudar a impulsionar a mudança geral.

Será que os bolos de caranguejo vegan irão satisfazer da mesma forma que o Beyond Burger? A Honest Burgers acompanha o hambúrguer com Gouda defumado vegan, maionese chipotle, mostarda, cebola roxa, picles e alface, e é bom.

Vegan fish

Fora dos limites dos supermercados do Sudoeste de Londres, peço ao meu amigo Jack Skinner, um paisagista de Essex que passa muito tempo a pescar caranguejos em Cornwall (comigo, algumas vezes), o que ele acha de peixe vegan.

Skinner diz que, embora a redução do consumo de carne seja uma preocupação ambiental importante, muitos peixes ainda são sustentáveis, e saborear um filete de pescada uma ou duas vezes por semana não é o mesmo que comer hambúrgueres de carne constantemente.

“Não acho que se possa equiparar peixe com rolos de salsicha”, diz Skinner. “Obviamente, existem espécies que são pescadas em demasia e precisamos resolver isso.”

“Mas há muitos peixes que são sustentáveis ​​e preocupa-me que haja pessoas que pensam que uma indústria inteira deveria desaparecer.”

“Eu sei que o veganismo está a crescer e eu respeito isso. Mas acho que, se formos nobres, também precisamos nos concentrar em garantir que as pessoas compram uma variedade maior de peixes.”

“Eu não comprava essas coisas. Não estou interessado. Não é salmão defumado, pois não. Chamem-lhe outra coisa.”

O peixeiro londrino Rex Goldsmith diz: “Eu simpatizo com as pessoas, bom para elas se elas querem se tornar veganas. Isso é ótimo.

“Mas peixe vegan soa a novidade para mim. É um grande truque de marketing não é. Os supermercados hoje em dia só querem ser verdes para serem vistos.

“Não tenho a certeza se os vegans quereriam mesmo o gosto e a textura do salmão defumado de qualquer maneira? E não consigo ver isto a ser um sucesso no mercado flexitariano, não cortariam eles apenas um pouco e aproveitariam o peixe de vez em quando?”

 

“Bollocks”

“Eu não consigo ver-me a experimentar ou a vender isso. Eu vendo peixe. Claro, se eles salvarem a vida a alguns bacalhaus, isso é ótimo. Boa sorte para eles. Mas isto parece um passo longe demais.”

Em casa, o salmão fumado vegan é um assunto textualmente desafiador. É esponjoso, como um daqueles colchões de espuma onde acabavas por dormir enquanto visitavas um amigo na universidade.

O camarão vegan é menos angustiante. Eles parecem bastante realistas e aguentam bem a fritura. O sabor não é exatamente o mesmo – claro – mas há um trago de peixe; uma sugestão sagaz do mar.

Vegan fish

 

Goste ou não, porém, o peixe vegan está aqui, e já foi provado que funciona. A londrina Sutton & Sons lançou um menu vegan em Outubro de 2018, e designou uma das suas lojas para ser totalmente de base vegetal.

O proprietário Danny Sutton diz que as vendas foram “estáveis”, e tanto vegans como não-vegans gostaram do prato que ele criou, que usa flor de banana, o coração da flor da bananeira, marinado em algas marinhas e samphire antes de ser mergulhado numa massa sem ovos.

“Eu acho que funciona porque muitas pessoas estão a mudar para um estilo de vida vegan e há uma verdadeira nostalgia em torno do “fish and chips” (peixe e batatas) – as pessoas sentem falta disso”, diz Sutton.

“É aquela coisa de sexta à noite. Nós tivemos vegans, que realmente adoram, e não-vegans que também adoram. Alguns dizem que provavelmente não voltariam a comer, e não tem problema, mas estamos a ver principalmente reações positivas.

 

Flor de bananeira e samphire

“Também temos tofish (tofu no lugar de peixe) no menu e scampi vegan, e as vendas são o que nós esperávamos.

“Há de facto um mercado para isso, e acho que também há o facto de que os stocks de mar estão a passar dificuldades. Se conseguirmos misturar, acho que é bom. O flexitarismo está a crescer. Vamos ver o que acontece.”

Sutton acrescenta que ele tem que importar a flor de banana, que é “um pouco como um coração de alcachofra”, da Tailândia. Ele diz que está a procurar alternativas.

Milhas aéreas à parte, na Sutton & Sons – e em inúmeras outras lojas de peixe e batatas fritas vegan da Grã-Bretanha – há um verdadeiro interesse por peixes falsos. Será que o salmão defumado vegan vai crescer da mesma maneira? Quem sabe – mas não será surpreendente se isso acontecer. Enquanto isso, a flor de banana é um bom lugar para começar.

 

Artigo original: https://inews.co.uk/inews-lifestyle/food-and-drink/whats-next-for-veganism-vegan-fish/