Poderá a Carne Cultivada em Laboratório Substituir a Carne Convencional?

A análise técnico-económica sugere que existem muitas questões tecnológicas que precisam de ser ultrapassadas para que a carne cultivada em laboratório possa substituir a carne convencional.
Poderá a Carne Cultivada em Laboratório Substituir a Carne Convencional?

Partilha este artigo:

Os criadores de tecnologias de carne cultivada em laboratório estão convencidos de que os seus produtos serão mais seguros e mais amigos do ambiente do que a carne convencional. Isto, sem falar dos resultados positivos para o bem-estar dos animais de criação. Para os defensores dos animais, a promessa parece ser uma “dádiva” – em teoria, a carne cultivada em laboratório poderia reduzir dramaticamente a quantidade de sofrimento. E fazer isto sem necessidade de convencer os consumidores de carne a mudar as suas dietas? Venha de lá isso!

Desde a famosa apresentação do hambúrguer de laboratório de Mark Post, em 2013, que o preço elevado de 325 000 dólares por hambúrguer se foi reduzindo significativamente. O mesmo grupo de investigação afirma ter reduzido esse valor em apenas dois anos. De qualquer modo, ainda ninguém conseguiu dominar a produção de carne de laboratório a baixo custo e em grande escala até à data. 

Interview Mark Post cultured meat Mosa Meat
Mark Post é pesquisador da Universidade de Maastricht e cofundador da Mosa Meat, a empresa responsável pelo primeiro hambúrguer de carne bovina cultivado em laboratório. Créditos imagem: Labiotech.eu

Uma análise tecno-económica recentemente publicada, encomendada pela Open Philanthropy, analisou a probabilidade de conseguirmos substituir uma quantidade significativa de carne convencional com análogos cultivados em laboratório, num futuro próximo. 

O estudo foi baseado em perspectivas tecnológicas de fermentação industrial e, a montante, nos sectores bio farmacêuticos, para avaliar a quantidade de culturas de células animais que poderiam ser dimensionadas como um processo de fermentação. 

Embora várias tecnologias de bioprocessos microbianos, tais como a produção de bioetanol ou o tratamento de águas residuais, tenham sido ampliadas com sucesso nas últimas décadas, a caminhada em direcção à cultura de células animais em laboratório continua a ser difícil. As características típicas dos principais desafios nas operações de cultivo de carne em laboratório incluem:

  • Baixa taxa de crescimento celular;
  • Pequenos volumes de biorreatores;
  • Baixas densidades finais de células;
  • As densidades celulares são severamente limitadas pela inibição da catabolite;
  • Os constituintes dos meios de crescimento de alta qualidade têm disponibilidade limitada;
  • Assegurar uma operação asséptica aumenta significativamente os custos de capital;
  • É necessário um grande progresso na engenharia metabólica;
  • A proposta de valor difere muito da de, por exemplo, produtos farmacêuticos, cujos preços de venda podem ser tão altos como > 10 milhões de dólares/kg (a carne fresca de bovino vende-se por ~$13/kg).

Foram várias as barreiras identificadas pela análise, indicando que será necessário um grande esforço de engenharia para abordar de forma significativa qualquer uma das características mencionadas. Contudo, a investigação e desenvolvimento de algumas, ou de todas elas, é um imperativo para que o sucesso da expansão da cultura de células animais em laboratório aconteça.

220524114619 01 cultivated meat exlarge 169
Hambúrguer da Mosa Meat. Créditos imagem: edition.cnn.com

O autor conclui que é fundamental a concentração na melhoria da eficiência metabólica celular e no desenvolvimento de meios de crescimento de baixo custo, a partir de proteínas vegetais hidrolisadas. No entanto, mesmo que a ciência dê saltos no progresso destas duas áreas, a produção rentável de carne em laboratório ainda está longe de ser uma realidade.

Uma instalação modelada de 24 biorreatores, cada uma com 20 metros cúbicos, poderia produzir quase 7 mil toneladas de massa celular húmida por ano, com um custo de produção de 37 dólares/kg.

Para colocar esta produção de “grande” escala em perspectiva, a actual produção global de alternativas de carne de origem vegetal está em cerca de 100 mil toneladas, enquanto a produção global de carne convencional pode atingir as 320 milhões de toneladas.

Na análise apresentada, o único cenário em que o custo de produção desceu abaixo do limiar de 25 dólares/kg foi aquele em que se utilizou uma fonte de aminoácidos baratos, provenientes do hidrolisado de proteína de soja dos EUA.

Contudo, a adequação deste material é ainda especulativa – um aumento na utilização deste produto, para a produção de carne de laboratório, poderia criar concorrência para a sua utilização noutras áreas da agricultura e, por conseguinte, aumentar o seu preço. A redução dos custos de produção de células é crucial, uma vez que haverá custos adicionais a suportar ao colocar o produto no mercado.

As etapas de processamento da cultura de tecidos a jusante, tais como a aromatização e a moldação, serão necessárias para tornar os produtos palatáveis – tudo com custos adicionais.

A análise também sugere que várias inovações propostas nesta área, tais como os biorreactores de utilização única, o cultivo de células de animais de sangue-frio, ou o foco na proteína unicelular, não são tão promissoras como inicialmente pareciam ser.

As questões correspondentes incluem, respectivamente, a incompatibilidade com a produção de grande escala, nenhuma melhoria significativa na economia e a limitada adopção no mercado de proteínas unicelulares não animais, até à data.

burger with utensils

Embora os defensores dos animais tenham certamente ficado entusiasmados com as perspectivas – e encorajados pelos CEO’s e pelas empresas que anunciam os seus produtos como iminentes –, parece que a carne cultivada em laboratório tem um longo caminho a percorrer para transcender o estatuto de iguaria exclusiva.

No entanto, devemos fazer uso das oportunidades para tornar a carne convencional mais cara. Afinal de contas, os aumentos dos preços do petróleo bruto e os incentivos pró-ambientais contribuíram para o crescimento da investigação sobre biocombustíveis.

Quem sabe, através de um esforço colectivo para que os subsídios aos criadores de animais acabem e com a introdução de um imposto climático sobre a carne, consigamos diminuir a monumental diferença que, actualmente, existe entre os preços das carnes convencionais e as carnes cultivadas em laboratório.

Adaptado da página Faunalytics

Traduzido por Ana Luísa Pereira

Este artigo foi útil?

Considera fazer um donativo

A AVP é uma organização sem fins lucrativos. Com um donativo, estarás a ajudar-nos a a criar mais conteúdos como este e a desenvolver o nosso trabalho em prol dos animais, da sustentabilidade e da saúde humana.

Considera tornar-te sócio

Ao tornares-te sócio da AVP, estás a apoiar a nossa missão de criar um mundo melhor para todos enquanto usufruis de inúmeros benefícios!

Queres receber todas as novidades?

Subscreve a newsletter AVP

Mais artigos em

Mais artigos em

Mais lidos

Subscreve

a Newsletter

Não percas um grão do que se passa!