fbpx

O que significa ser vegan? Uma explicação simples

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A 1 de Novembro, veganas e veganos do mundo inteiro reunem-se para celebrar os direitos dos animais e um estilo de vida cada vez mais em voga, que é o veganismo. O Dia Mundial do Veganismo foi criado em 1994 por Louise Wallis, a então presidente da The Vegan Society UK em forma de comemoração do 50° aniversário da associação e do nascimento da palavra vegan. Mas o que significa realmente ser vegano? Aqui fica uma explicação simples.

Veganismo, o que é?

Segundo a The Vegan Society, “O veganismo é uma filosofia e um modo de vida que visa excluir – na medida do possível e praticável – todas as formas de exploração e crueldade contra os animais para alimentação, vestuário ou qualquer outro propósito; e, por extensão, promove o desenvolvimento e uso de alternativas sem animais para o benefício dos animais, humanos e do meio ambiente. Em termos dietéticos, denota a prática de dispensar todos os produtos derivados total ou parcialmente de animais.”

Qual é a principal razão para adotar um estilo de vida vegano?

A compaixão pelos seres de outras espécies é sem dúvida a principal motivação para que muitas tomem essa decisão e continuem a abraçar este estilo de vida continuamente ao longo das suas vidas. Os veganos acreditam que todas as criaturas sencientes têm direito à vida e à liberdade, e que eliminar o consumo de produtos de origem animal é uma das maneiras mais eficazes de nos posicionarmos contra a exploração e a crueldade impostas aos animais.

Embora a ética ou os direitos animais sejam o pilar de motivação dos veganos, há quem também possa adoptar uma alimentação estritamente vegetariana (também conhecida como “vegana”) por outras razões igualmente válidas. Vejamos quais são:

Pela saúde humana

São vários os estudos e pesquisas científicas que comprovam que uma dieta vegana equilibrada contém todos os nutrientes de que o corpo humano precisa e que pode eficazmente ajudar a reduzir o risco de certas patologias como doenças cardiovasculares, diabetes de tipo 2 e alguns tipos de cancro. Ao adotarem uma dieta de origem 100% vegetal, as pessoas veganas tendem a interessar-se e aprender mais sobre nutrição e culinária e a diversificar os alimentos que consomem, integrando na sua alimentação cereais completos, leguminosas, frutas, nozes, sementes e vegetais que contribuem para um corpo saudável e feliz.

Pelo Planeta e Sustentabilidade

Num momento da história da humanidade na Terra em que se revela primordial a necessidade de fazermos a nossa parte pela regeneração de um planeta em destruição, adotar uma dieta vegana é uma das decisões mais efetivas que podemos tomar para reduzir a nossa pegada ecológica. A produção e o consumo massivo de carne e de outros produtos de origem animal é um dos maiores fatores contribuintes para o aquecimento global, os níveis de poluição generalizada, a desflorestação, a degradação dos solos, a escassez de água e a extinção de espécies.

Os veganos são conscientes de que o planeta não pode continuar a alimentar as crescentes populações humanas e de animais para consumo humano e encontram no veganismo uma solução para este desafio.

Pelas Pessoas e Justiça Social

Evitar produtos de origem animal é uma das maneiras mais simples e eficazes de um indivíduo se posicionar contra sistemas alimentares ineficientes que afetam desproporcionalmente as populações mais empobrecidas do mundo. A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) estima que uma em cada nove pessoas sofre de malnutrição crónica. Uma das questões mais urgentes que enfrentamos enquanto espécie é saber como vamos continuar a alimentar de maneira justa e sustentável uma população mundial em crescimento enquanto que a superfície terrestre disponível para a agricultura necessária ao ser-humano se torna cada vez mais escassa em parte devido à exploração industrial de animais para consumo humano.

Veganismo em prática: o dia-a-dia de um vegano

Alimentação

Ao excluírem da sua alimentação quaisquer produtos de origem animal, as pessoas veganas não consomem qualquer tipo de carne, peixe, marisco, ovos, laticínios e derivados, mel e também quaisquer suplementos alimentares que contenham subprodutos animais como é o caso da gelatina.  Felizmente, um vegano consegue hoje em dia encontrar todos os alimentos que necessita para uma dieta 100% vegetariana saudável e equilibrada na maioria dos mercados tradicionais e grandes superfícies comerciais e também nas lojas especializadas em produtos de origem vegetal, que se tornam cada vez mais comuns.

Vestuário e calçado

Ser vegano é também abdicar de comprar e usar quaisquer produtos de moda provenientes de animais como a , a seda, a pele, as penas ou o couro. Muitas marcas internacionalmente reconhecidas assim como marcas locais de produção sustentável têm vindo a desenvolver alternativas veganas a estes produtos cuja extracção e confecção implicam o sofrimento animal. Alguns exemplos de marcas portuguesas que oferecem roupa, sapatos ou acessórios 100% veganos são a Corkor, a NAE, a Verney ou a Zouri

Cosméticos, produtos de higiene e de limpeza da casa

Para além de poderem conter produtos de origem animal, este tipo de produtos que usamos diariamente para os nossos cuidados de higiene e de beleza e também para a limpeza da casa, são frequentemente testados em animais antes de serem postos à venda no mercado. Cada ano, milhões de animais perdem a vida em laboratórios de experimentação animal. Em forma de protesto contra esta realidade, os veganos portugueses/as optam por marcas cruelty-free e 100% vegan como a Vegancare, a Miristica ou a BioVó na hora de escolherem os seus cosméticos e produtos de higiene e limpeza do dia-a-dia.

Cultura e entretenimento

As pessoas que se tornam veganas deixam também de apoiar ou de assistir a qualquer forma de lazer que faça uso de outras espécies animais para puro entretenimento humano como é o caso dos circos com animais, das touradas e das corridas de cães ou cavalos. Também se abstêm de visitar ou suportar lugares como jardins zoológicos ou oceanários/aquários que restringem a liberdade dos animais e os forçam a viver longe dos seus habitats naturais. 

Ativismo 

Poderás questionar-te então sobre a maneira como os veganos se divertem e mantêm uma vida social ativa. Muitos deles levam uma vida normalíssima e passam completamente despercebidos na rua.

Muitas e muitos deles afirmam que são membros ativos nas suas comunidades, onde procuram promover um estilo de vida 100% livre de sofrimento animal, pois sentem que isso preenche as suas vidas de propósito. 

Em Portugal, para além da AVP, existem alguns outros canais de difusão do veganismo e da defesa dos direitos dos animais, através de páginas pessoais (como a Sociedade Vegan ou a Quebra do Silêncio) ou de organizações (como o Animal Save and Care, o Centro Vegetariano, a LPDA – Liga Portuguesa dos Direitos dos Animais ou a SPA – Sociedade Protectora dos Animais). A comunidade vegana tem vindo a crescer bastante nos últimos anos e é hoje em dia bastante fácil conectar com outras pessoas que vivem e promovem este estilo de vida mais compassivo.

Se quiseres adentrar-te um pouco mais no universo vegano, convidamos-te a ler este artigo que sugere 8 Livros Essenciais sobre Vegetarianismo e Veganismo ou a dar uma olhada nesta lista de 10 Documentários Para Assistir no Dia do Veganismo

E já agora, se tal como nós, também tu acreditas que o veganismo é uma solução verdadeiramente viável para os grandes desafios globais que enfrentamos, assegura-te de partilhar com os teus familiares e amigos o que aprendeste hoje ao ler este artigo. Os animais, a humanidade e o planeta agradecem!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Este artigo foi útil?

Considera fazer um pequeno donativo!

A AVP é uma organização sem fins lucrativos. Ao fazeres um donativo, estarás a ajudar-nos a desenvolver o nosso trabalho em prol dos animais, da sustentabilidade e da saúde humana. Muito obrigado!