2019 será o ano do Veganismo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp


Recentemente o jornal The Economist publicou um relatório na sua revista “O Mundo em 2019”, em que o jornalista John Parker prevê que 2019 será “o ano do veganismo”.

De facto, um pouco por todo o mundo, o conceito tem entrado no discurso “mainstream” e o estilo de vida tem crescido exponencialmente em termos de popularidade.

Exemplificando, a revista cita que 25% da população dos Estados Unidos da América na faixa demográfica de 25 a 34 anos identificam-se actualmente como veganos ou vegetarianos. Já no Reino Unido o caso é semelhante, onde o número de veganos terá aumentado em 700% nos últimos dois anos. Em Portugal o número de veganos rondará os 60.000, mas estima-se que esteja em amplo crescimento.Até grandes corporações produtoras de carne como a Tyson começaram a investir em marcas veganas,  como a Beyond Meat, um número crescente de escolas e hospitais agora são obrigados a oferecer refeições veganas, e cadeias como a McDonald’s e a Tesco introduziram opções vegetarianas ou até mesmo veganas.Um distrito escolar em Los Angeles, o segundo maior do país, começará a servir refeições veganas em todas as suas escolas durante o ano letivo de 2018-19.

O interesse por este modo de vida em que as pessoas evitam não apenas carne e couro, mas todos os produtos de origem animal, incluindo ovos, lã e seda, está a crescer incrivelmente, especialmente entre os millennials”, escreve Parker.

Parker prevê que os substitutos de carne terão o maior impacto em tomar o veganismo “mainstream” em 2019, destacando a popularidade de novas marcas americanas como a Beyond Burgers, ou da marca holandesa Vivera – que lançou um bife vegano e vendeu 40.000 unidades na primeira semana de lançamento na Tesco, no ano 2018.

Ler mais
Consumo regular de carne relacionado com um aumento da taxa da mortalidade, de acordo com estudo de revisão sistemática de investigações anteriores

“Se as carnes baseadas em vegetais começarem a ganhar em popularidade, podem tornar-se numa tecnologia transformadora, melhorando a dieta ocidental, reduzindo a pegada ecológica, e talvez até reduzindo o custo dos alimentos nos países sub-desenvolvidos ou mais pobres”, concluiu Parker.

Isso pode começar a mudar de forma significativa em 2019, quando a Comissão Europeia finalmente iniciar o processo de definição formal do que é um produto vegetariano e vegano, iniciando uma maior regulação do mercado.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Este artigo foi útil?

Considera fazer um pequeno donativo!

A AVP é uma organização sem fins lucrativos. Ao fazeres um donativo, estarás a ajudar-nos a desenvolver o nosso trabalho em prol dos animais, da sustentabilidade e da saúde humana. Muito obrigado!       

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Subscreve a Newsletter!

Subscreve

a Newsletter

Não percas um grão do que se passa!